Cadastre-see receba
informações exclusivas

Notícias

Na Itália, governo propõe incentivos para Domótica

Fonte: Key4biz (Itália)

Na Itália, governo propõe incentivos para Domótica
Na Itália, cresce a atenção do Governo sobre a eficiência energética, domótica (automação residencial), mobilidade inteligente e segurança. Nos últimos cinco anos, foram investidos 368 milhões de euros em domótica. As moradias representam 36% das emissões de poluentes. Estão previstos ainda investimentos de  500 milhões de euros para a renovação urbana e de 94 milhões para aprovação da mobilidade sustentável, baseada em ciclovias.

A aprovação final do texto do "Disegno de Legge di Stabilià per il 2016" deverá acontecer no decorrer do ano de 2016 no Senado da República.
 
O Governo, com críticas e mudanças de última hora, anunciou um pacote orçamental total que serão responsáveis ​​por mais de até 34 bilhões de euros e que, em alguns capítulos poderia trazer inovações importantes em termos de promoção de projetos de cidade inteligente e sustentabilidade ambiental para a Itália.
 
No capítulo da Domótica será apreciada a possibilidade de deduções de imposto de renda pessoal na ordem de 65% para as medidas destinadas a melhorar a eficiência energética. Isto seria estendido para a aquisição de dispositivos inteligentes para o controle remoto de unidades de aquecimento, de produção de água quente e ar condicionado.
 
Um passo importante para a adoção de sistemas inteligentes de energia em áreas urbanas, disse Claudio Andrea Gemme, presidente da ANIE, "um setor importante em nosso país, se pensarmos que 40% do consumo total de energia e 36 % das emissões de gases de efeito estufa são imputáveis ​​aos edifícios "
 
Os sistemas de automação residencial, disse em um comunicado  a ANIE (Federação Nacional de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos), hoje podem proporcionar economias significativas de energia: para sistemas de aquecimento e refrigeração, que vão desde uma economia mínima de 9% até um máximo de 26%, enquanto no que respeita à energia eléctrica é passada a partir de um mínimo de 7%, para um máximo de economia de 20%.
 
"Nós também apreciamos a ação em pequenos sistemas de energia renováveis ​​integradas aos edifícios - disse Gems - que contribuem para cobrir as necessidades de energia e, portanto, reduzir também as emissões".
 
As empresas estão empenhadas na implantação efetiva de edifícios "Zero Net Energy, ou seja, edifícios residenciais com um impacto ambiental próximo a zero. Neste projeto de lei há sinais concretos de atenção a áreas como a domótica e energias renováveis, segue a nota da ANIE, bem como trazendo vantagens para a qualidade de vida das pessoas que vivem na cidade. Também move o foco para projetos de tecnologia em edifícios voltados a sistemas de medição de consumo ativo, até hoje mal interpretados no sistema jurídico italiano.
 
Em termos de mercado, de acordo com dados recentemente obtidos, na indústria da construção entre 2008 e 2014, a domótica registou um aumento de 34%,  enquanto o uso de sistemas fotovoltaicos subiu em 55%, com uma capacidade instalada de 7.300 MW.. 

Últimas Notícias

Carregar Mais

Aureside na Imprensa

"Casa do futuro com jeitinho brasileiro" - O Estado de SP (out 2017)

"Casa Inteligente: o futuro já chegou" - Folha de Londrina (set 2017)

"O que oferecem as casas inteligentes?" - O Estado de SP (set 2017)

"Casa inteligente já é uma realidade" - O Globo (mai de 2017)

"O Trabalho no Futuro" - TV Novo Tempo (mai 2017)

Carregar Mais